quarta-feira, 7 de setembro de 2011

O drama do artista

Nasce como um relâmpago,
sente todo o turbilhão de emoções
que para os comuns são chamados sentimentos...

Vive correndo, com pressa
do tempo passar e ele ficar
no ar, como bolha de sabão.

E se explodir antes do tempo?

O mundo não o compreende,
e tenta Ser, no meio de tantos
que creem que somente o ser basta.

Morre com pressa, precoce,
deixando o povo boquiaberto de repente...
E mesmo assim, não o compreendem...

Assiste desiludido o que tentou fazer,
passar, falar
e nada do que venham fazer traduzirá o que sentiu...

É triste ser artista.
Ser artista é viver na incompreensão.

3 comentários:

Rafael disse...

Ei!
Estou meio desligado há um tempo dos blogs, e tal... e também do contato com você. Como estão as coisas? entendi errado, ou no post de 02 de agosto você revela ter se transformado em mãe? é você na foto, né?(desculpe minha burrice.)
Poisé! há quanto tempo... comente no meu blog, caso vá responder a estas perguntas. Um beijo e um abraço!
Rafael Alvino.

Nicola disse...

Tu, com a tua arrogância e o teu ar de superioridade e apesar de tudo com a tua simpatia e com o teu bom humor. Tu para quem eu olho
sem conseguir perceber o que sinto. Tu com o teu sorriso crias as tuas vítimas e gozas as tuas vitórias.
Olho para o espelho e vejo-me diferente, envelhecida, cansada.
Não vou ser mais uma.
Recuso-me a ser mais uma.
Até porque mesmo que o quisesse....
Para ti o meu sorriso.

Nicola disse...

Sou o zero, sou o vazio. Sou o nada partido ao meio, no escuro esquecido